“Falta proteger os ópticos”

Com sete lojas entre Sacavém e Lisboa (Parque das Nações), a Zona Óptica aposta na excelência da qualidade dos serviços, equipamentos, produtos e, naturalmente, dos profissionais da equipa. Os sócios, António Martins e André Soares, somam mais de duas décadas de experiência e gostavam de ver o sector mais unido e regulamentado.

OP: A empresa conheceu um crescimento interessante num período de grande ascensão das lojas de óptica. Hoje, com uma conjuntura económica deprimida, continua a alargar-se. A que se deve este sucesso?

AM: É fruto de muito trabalho por parte da excelente equipa, com cerca de 30 pessoas, e ao nosso profissionalismo, pois apostamos na excelência do serviço ao cliente.

OP: Num período em que se fala tanto da legislação da profissão optometrista, e visto que também trabalha com estes profissionais, o que pensa da criação de uma ordem para esta classe? Acredita que irá intervir no funcionamento de lojas como as vossas?

AM: Não vai intervir no funcionamento das lojas, vai interferir na prática da optometria. Participei nas primeiras reuniões em que a União Profissional dos Ópticos Optometristas Portugueses (UPOOP) e a Associação de Profissionais Licenciados de Optometria (APLO) se juntaram para fundar a Ordem, mas infelizmente não chegaram a bom termo.
AS: Trabalhamos com optometristas, ambos também o somos. A profissão devia estar regulamentada para agilizar a nossa actuação junto dos outros organismos, de forma a aceitarem as nossas receitas como acontece noutros países.

OP: E o que é que falta?
AS: União, simplesmente.

OP: Os optometristas estão desunidos?
AM: Sim, trata-se de uma velha história. Num lado, optometristas licenciados pelas faculdades, no outro, optometristas da UPOOP. Temos dois organismos base, a UPOOP e a APLO, que têm que se entender para regulamentar a prática da Optometria em Portugal.

OP: E uma Ordem a criar, será…

AM: A Ordem dos Optometristas. A optometria representa os cuidados primários da visão, a óptica é a parte comercial. Revelam-se coisas diferentes, embora coabitem. A Ordem permitirá legislar a optometria. Há uma licenciatura, logo há que enquadrar os profissionais no mercado de trabalho. Eu tenho 30 anos de optometria, fiz o primeiro curso em Portugal na Escola Portuguesa de Óptica Ocular (EPOC) e constato um total desencontro de ideias entre os vários organismos e entre as pessoas que os integram. A inexistência de uma única Ordem retira força negocial, dificulta  a prática da actividade e o seu reconhecimento junto dos organismos oficiais de saúde.

18 Fevereiro 2011
Entrevistas

Notícias relacionadas

“Acreditem na optoVision e no projeto da marca para Portugal”

Mário Pereira é o "rosto" da optoVision em Portugal, laboratório alemão de lentes oftálmicas que chegou em outubro ao nosso país. Numa entrevista intimista, o responsável pelo projeto falou-nos do seu percurso e da larga experiência que possui na área das lentes oftálmicas e, ainda, da marca que vai liderar em território nacional.

Ler mais 16 Novembro 2020
Entrevistas

Daniela Guerreiro: “O mercado da ótica mudou bastante”

Com uma recente remodelação, a Oculista Carioca, nos arredores de Sintra, está mais atrativa e funcional. Com “um serviço de qualidade, seriedade e profissionalismo”, Daniela Guerreiro, há 16 anos na empresa fundada pelo pai, reconhece que o mercado mudou bastante desde então.

Ler mais 20 Julho 2020
Entrevistas