“Estou vocacionado para as lojas de rua”

Imagem da notícia: “Estou vocacionado para as lojas de rua”

ÓpticaPro: Começou por ter uma das maiores ópticas do país e agora, passados 30 anos, recupera esse título…

José Pedro Lourenço: De facto, nos anos ’90 a Óptica Boavista era a óptica de topo da cidade. No entanto, com o aparecimento dos grandes grupos internacionais e com a transformação constante do mercado, tinha que enveredar por uma linha de negócio distinta. Além disso, o primeiro espaço tornava-se pequeno para tudo o que ambicionava fazer. Criei portanto uma loja espaçosa, com dois mil metros quadrados, e que é a maior óptica da Europa. Conferi ainda grande destaque à diversidade de produtos e ao espaço reservado ao lazer.

 

OP: Após esta revolução, o que recorda da história?JPL: A primeira loja, localizada no número 661 da avenida da Boavista, surgiu a 27 de Agosto de 1979. Iniciei o negócio apenas com a minha mulher, mas, ao longo dos anos, fui admitindo vários funcionários na empresa. Na altura do ‘boom’ dos grandes espaços comerciais, abri uma óptica e uma loja de bijutaria no Centro Comercial Dallas, para acompanhar o mercado. No entanto, a experiência de ‘shopping’ desagradou-me, por vários motivos. A clientela é diferente, as horas extra fazem falta para conviver com a família e, além disso, não se criam laços de amizade entre gerência e funcionários. De facto, sinto que estou mais vocacionado para lojas de rua. A nova Óptica Boavista abriu no dia 27 de Julho de 2009 e inicio agora um outro ciclo.

 

OP: Não lhe custa encerrar a sua primeira casa?JPL: Ainda não fechei completamente as portas, por uma questão sentimental. Contudo, mais cedo ou mais tarde irá acontecer, já que para manter as duas ópticas tão próximas teria que mudar o nome de uma delas. Sempre me dirigi para um estrato social médio alto, e agora quero atingir um público-alvo diferente, disponibilizando marcas ainda mais arrojadas e luxuosas. Existem muitas pessoas com poder económico e eu quero conquistar esses clientes.

 

OP: Já na altura da fundação da sua loja conquistou muitos clientes fiéis. O que explica esta atracção?JPL: Essencialmente, a qualidade de serviço, atendimento, variedade e qualidade dos produtos. A Óptica Boavista foi a primeira a possuir uma exposição de óculos de sol durante todo o ano, ao contrário do que acontecia nas outras ópticas, que retiravam a linha de sol no Inverno. Paralelamente, aderíamos a coisas diferentes para incluir variedade de escolha, o que implicava um esforço maior da nossa parte para convencer o cliente a preferir um produto inusitado.

 

OP: O que distingue esta loja da anterior?JPL: Temos uma clínica onde incluímos as valências de optometria, contactologia, optometria comportamental, optometria geriátrica e pediátrica, terapia visual e ortóptica. Tudo isto com apoio da oftalmologia. Temos também um café, o “OBV Café” para os clientes tomarem o pequeno almoço ou lancharem enquanto esperam pelos óculos ou pela sua vez. Para além da parte de exposição e de atendimento ao público, criámos uma galeria de arte. A nova Óptica Boavista possui também um parque de estacionamento, o qual vejo como uma oportunidade para atrair mais pessoas. Digamos que somos uma loja de rua com a filosofia de centro comercial. Temos que apostar na diferença entre as ópticas.

 

OP: Como encara os prémios que ganhou com as montras da antiga Óptica Boavista?JPL: Estão certamente relacionados com esta filosofia de diferenciação e personalização que defendo. Sempre apostámos na boa imagem da óptica, transmitida precisamente pelas montras engraçadas, diferentes e polémicas que construíamos. Antigamente, as pessoas escolhiam através da vitrina, mas hoje o conceito é diferente. Agora, a ideia passa pela criação de uma montra mais simples, vazia e transparente, antevendo o interior da loja, que convida à entrada dos clientes. Colocamos quatro ou cinco marcas na montra, porém só no interior da óptica as pessoas conhecem a totalidade da oferta.

 

OP: Porquê aderir à Optivisão com uma empresa tão consolidada?JPL: Sabíamos que com a abertura das fronteiras, os grupos internacionais chegariam rapidamente a Portugal. A Optivisão constitui a nossa ferramenta de defesa e de luta contra as grandes empresas instituídas. Actualmente, revela-se o grupo mais forte a nível nacional, com 250 ópticas franquiadas e 11 lojas próprias. Além disso, a Optivisão assume-se como um grupo ‘sui generis’, já que a maioria dos franquiados são também accionistas. Existe um interesse, uma participação e um contributo por parte de todos. Compomos um grupo muito saudável, onde todos os membros “vestem a camisola”.

25 Novembro 2009
Entrevistas

PUBLICIDADE
MIDO 2022
PUBLICIDADE
jackNoble

Notícias relacionadas

“A Prooptica atua de olhos postos no futuro”

Numa altura em que a Prooptica comemora 28 anos de existência Luís Justino, administrador da empresa, desvenda em entrevista os segredos do sucesso, as dificuldades vividas e as oportunidades que a pandemia de Covid-19 trouxeram. Para o futuro, o administrador imagina uma empresa fascinada pela internacionalização e pelo desenvolvimento sustentado, com o mesmo objetivo de sempre: garantir a satisfação plena de todos os parceiros.

Ler mais 3 Setembro 2021
Entrevistas

“Os óculos são objetos que qualificam as pessoas”

Uma das pessoas mais reconhecidas no mundo da ótica, especialmente quando falamos do conceito de óculos modernos, falou em exclusivo para Portugal à ÓpticaPro. Contador de histórias, Paolo Seminara respira paixão por uma profissão onde “o tempo voa”.

Ler mais 10 Agosto 2021
AtualidadeEntrevistasÓculos