“O mercado óptico precisa de conceitos distintos”

Imagem da notícia: “O mercado óptico precisa de conceitos distintos”

ÓpticaPro: Porquê enveredar pela área do ‘design’ de óculos?


Markus Temming: Apercebi-me que precisava de algo criativo na vida e conciliei este anseio com a minha formação em óptica. Na realidade, nunca estudei especificamente no âmbito da criação, no entanto consegui reunir o melhor de dois mundos para desenhar a primeira colecção ‘eyewear’ Markus T.

 OP: Criou um conceito único numa indústria repleta de ideias… 

MT: Os óculos Markus T baseiam-se na constante aliança entre a peculiar construção técnica e o ‘design’ prático, apelando sempre à pureza das linhas. O nosso sucesso deve-se sobretudo ao desenho excepcional das peças, onde valorizamos a harmonia entre a estética, a funcionalidade e a durabilidade. Adicionalmente, seguimos um princípio de construção revolucionário. Criámos um sistema técnico, patenteado em 1999, através do qual agrupámos todas as componentes dos óculos sem recorrer ao uso de qualquer parafuso. Assim, hoje temos uma charneira maleável, que assegura a ergonomia e a mobilidade das hastes. Esta “dobradiça” assume-se como a nossa imagem de marca e constitui um garante de inovação técnica, qualidade e ‘design’. O mercado óptico não precisa de um novo estilo, mas sim de sistemas e conceitos distintos.

 OP: E este tipo de ‘eyewear’, como o que acabou de descrever, revela-se um mercado em crescimento?

MT: Sem dúvida, pois existem inúmeras empresas em constante processo de criação. Contudo, é importante que as firmas apliquem as suas ideias, que as produzam efectivamente, para mostrarmos ao público que estamos activos. Nos dez anos de existência da Markus T, apostámos sempre na inovação e nunca estagnámos numa primeira ideia.

 OP: Além desta “luta”, que passa por inventar e reinventar conceitos, debate-se também com a “luta” de convencer os ópticos a adoptar o seu ideal?

MT: Penso que uma das coisas mais difíceis neste negócio é encontrar as pessoas certas para transmitir a filosofia Markus T aos ópticos. Precisamos de colaboradores motivados, que acreditem na empresa e nos seus ideais, e que trabalhem em equipa. Neste sentido, estou descansado. Todos os nossos colaboradores conhecem perfeitamente a filosofia associada às colecções. Estão aptos para contar uma história e não apenas para negociar um produto. Ao vender Markus T, vendemos um ideal, um conceito, uma história aos consumidores.

 OP: Quais são as vantagens de usar uma armação Markus T?

MT: Os nossos óculos resultam da sinergia entre a simplicidade e o conforto. Para isso, as armações são fáceis de manusear, tanto pelo usuário como pelo óptico que lhe aplica as lentes e ainda pelos laboratórios que as produzem. Os modelos possuem também um ‘design’ anatómico, proporcionando uma sensação de bem-estar.

 OP: Como funciona o processo de criação dos óculos, desde a pesquisa até chegar ao produto, passando ainda pelo desenvolvimento de materiais?

MT: Para obter a armação ideal somos nós que produzimos tanto a ideia como os materiais que a concretizam. De facto, as características dos modelos Markus T advêm do material patenteado TMi, um produto sintético extremamente fino e leve, que garante um elevado grau de robustez, flexibilidade e expressividade. Esta valência junta-se à charneira sem parafusos e resulta em modelos, que para mim, são perfeitos. Aliás, sempre procurei materiais pouco comuns em óptica, mas que depois de trabalhados combinam harmoniosamente.

 OP: Podemos considerar a Markus T um caso de sucesso?

MT: Com certeza, porque acima de tudo actuo por paixão. Trabalhar com o coração é o que torna os produtos tão especiais. Se olhar para os últimos dez anos, chego à conclusão de que realmente criei uma marca de sucesso, graças à colecção única e à equipa fabulosa que me acompanha.

 OP: Qual será a postura da Markus T no futuro?

MT: Iremos impressionar ainda mais o público. Continuaremos com a nossa filosofia purista, mas teremos também produtos que causarão um maior impacto no ramo da óptica e do ‘design’.

18 Novembro 2009
Entrevistas

Notícias relacionadas

“Nunca mais vamos voltar a trabalhar como antigamente”

Confesso otimista, irrequieto e ambicioso, Rui Motty é uma pessoa inspiradora, característica própria dos líderes. Numa longa conversa com a ÓpticaPro, o diretor da Optocentro desvendou-nos as novidades da empresa, para além das soluções para os obstáculos provocados pela pandemia associada ao novo coronavírus. De uma coisa está certo: nada voltará a ser como antes.

Ler mais 20 Janeiro 2021
Entrevistas

Rui Motty em entrevista

Confesso otimista, irrequieto e ambicioso, Rui Motty é uma pessoa inspiradora, característica própria dos líderes. Numa longa conversa com a ÓpticaPro, o diretor da Optocentro desvendou-nos as novidades da empresa, para além das soluções para os obstáculos provocados pela pandemia associada ao novo coronavírus.

Ler mais 21 Dezembro 2020
Entrevistas

“Acreditem na optoVision e no projeto da marca para Portugal”

Mário Pereira é o "rosto" da optoVision em Portugal, laboratório alemão de lentes oftálmicas que chegou em outubro ao nosso país. Numa entrevista intimista, o responsável pelo projeto falou-nos do seu percurso e da larga experiência que possui na área das lentes oftálmicas e, ainda, da marca que vai liderar em território nacional.

Ler mais 16 Novembro 2020
Entrevistas