A MultiOpticas “mudou o paradigma do negócio”

Imagem da notícia: A MultiOpticas “mudou o paradigma do negócio”

Dias antes da celebração dos 30 anos da MultiOpticas no Palácio de Xabregas, em Lisboa, o CEO Rui Borges, em entrevista à ÓpticaPro, fez um balanço de três décadas que mudaram o cenário do mercado ótico em Portugal e que consolidaram a empresa como líder de vendas.

ÓpticaPro: Começando pela pergunta cliché, que balanço faz destes 30 anos?

Rui Borges: Bom, 30 anos é muito tempo e o balanço é muito positivo. De facto, a MultiOpticas entrou no mercado em 1988 e não foi um simples operador, mas sim uma entidade que mudou o paradigma do negócio do retalho da ótica até aquela altura. Lembro-me da compra do meu primeiro par de óculos; tinha entrado no ISEG para Economia e é quase caricato dizer que andei à procura de um oculista na altura. Morava no centro de Lisboa e não havia oferta neste sentido. Ainda guardo esse par de óculos religiosamente em casa. Isto só para ilustrar o que era a ótica no início dos anos 80.

Quando a MultiOpticas entrou em Portugal vinha de Espanha, não era muito diferente, oferecendo uma gama de produtos de excelente qualidade. O conceito agitou e mudou o paradigma do negócio a preços muito competitivos, diversificando a oferta e democratizando o setor. Daí para cá muitas coisas aconteceram, até porque quando alguém agita o mercado é normal aparecerem outros operadores concorrentes que copiaram sistemas baseados no nosso conceito, outros em formatos distintos.

Conheça a entrevista de capa completa na edição de junho da ÓpticaPro.

6 Junho 2018
Entrevistas

PUBLICIDADE
|MIDO 2021

Notícias relacionadas

Daniela Guerreiro: “O mercado da ótica mudou bastante”

Com uma recente remodelação, a Oculista Carioca, nos arredores de Sintra, está mais atrativa e funcional. Com “um serviço de qualidade, seriedade e profissionalismo”, Daniela Guerreiro, há 16 anos na empresa fundada pelo pai, reconhece que o mercado mudou bastante desde então.

Ler mais 20 Julho 2020
Entrevistas

“Iremos colocar em prática uma forte campanha de sensibilização”

Em meados de maio, a Associação Nacional dos Ópticos (ANO) apresentou os resultados do inquérito ao subsector de comércio a retalho de material ótico, pedido ao Centro de Estudos Aplicados (CEA) da Universidade Católica Portuguesa (UCP), com o objetivo de analisar o impacto da pandemia Covid-19 nesta área. Falámos com Fernando Tomaz, presidente da direção da ANO, para conhecermos as principais conclusões do estudo e as medidas que se impõem.

Ler mais 26 Junho 2020
Entrevistas