“Comunicar Portugal aos portugueses”

ÓpticaPro: Assumem-se dinamizadores da moda nacional. Porquê esta atitude?

Luís Justino: Hoje é mais fácil de explicar do que há 10 anos atrás, quando iniciámos o projecto. Há uma década, éramos os únicos a acreditar na moda ‘eyewear’ nacional, de uma forma séria e comprometida. Quando começámos, queríamos de uma forma altruísta comunicar Portugal aos portugueses, ajudar a terminar com o preconceito do consumir português no nosso país. Lemos no mercado que Portugal e os portugueses estavam a ganhar mais sentido de Pátria, que começavam a pouco e pouco a amar a sua bandeira e os seus pares. E passo a passo, ao longo destes últimos  anos, passámos de preconceito generalizado ao crescimento da confiança e da credibilidade nos produtos portugueses. Do preconceito estamos a passar ao PORconceito. Os nossos clientes deram-nos força, acreditaram e ajudaram-nos a evoluir. Sem os nossos parceiros, sem a sua confiança e a sua aposta nunca chegaríamos onde estamos hoje. Cada sugestão, cada proposta, cada crítica e reclamação foi escutada com a máxima atenção, para aprender, para investir e para desenvolver. A moda portuguesa representa hoje para a Proóptica a sua maior bandeira de diferenciação, nacional e internacional.

OP: Como descreve o ‘design’ português?

LJ: Todos os produtos das nossas sete marcas, sem excepção, são desenhados,  avaliados e aprovados em Portugal. A sua ergonomia, o conforto e os estilos estudam-se cuidadosamente. Posso mesmo afirmar que as colecções portuguesas reforçam a criatividade e o ‘design’ nacional. Os criadores e os estilistas lusos envolvem-se em cada fase do processo criativo e de inovação. Acompanham a produção, envolvem-se na distribuição e participam lado a lado com o nosso cliente na comercialização ao consumidor final. As nossas colecções de ‘eyewear’ portuguesas possuem um ‘portfolio’ de produto alargado com os posicionamentos muito bem afinados com as marcas. São produtos bem criados, com um binómio preço/qualidade fantástico e um serviço muito bem integrado. Na conjuntura actual, comprar produtos portugueses é apostar em Portugal, é crer em Portugal.

 

OP: Que opiniões capta do mercado acerca deste conceito?

LJ: A melhor opinião que capto do mercado é o ‘sell out’ ao consumidor e a satisfação do mesmo. Temos cada vez mais consumidores aderentes à moda portuguesa de ‘eyewear’ e um público muito diversificado. Do mundo da moda ao mundo dos negócios, de idades e classes sociais muito diversificadas. O consumidor que compra armações portuguesas procura qualidade e ‘design’ superiores por um preço acessível. E é isso que procuramos dar ao cliente, uma qualidade e um serviço muito acima do que ele paga. Cada vez mais, e agora mais do que nunca, temos orgulho em ser portugueses e os nossos consumidores revelam esse sentimento crescente a cada dia.

 

Leia a entrevista integral na ÓpticaPro 90

21 Abril 2011
Entrevistas

Notícias relacionadas

Criador da Police Eyewear muda-se para Portugal

O designer e criador da marca Police Eyewear, Bruno Palmegiani, decidiu mudar-se de armas e bagagens para Lisboa no ano passado, onde tenciona colocar em prática algumas ideias e projetos quando a pandemia o permitir.

Ler mais 22 Fevereiro 2021
Entrevistas

“Nunca mais vamos voltar a trabalhar como antigamente”

Confesso otimista, irrequieto e ambicioso, Rui Motty é uma pessoa inspiradora, característica própria dos líderes. Numa longa conversa com a ÓpticaPro, o diretor da Optocentro desvendou-nos as novidades da empresa, para além das soluções para os obstáculos provocados pela pandemia associada ao novo coronavírus. De uma coisa está certo: nada voltará a ser como antes.

Ler mais 20 Janeiro 2021
Entrevistas

Rui Motty em entrevista

Confesso otimista, irrequieto e ambicioso, Rui Motty é uma pessoa inspiradora, característica própria dos líderes. Numa longa conversa com a ÓpticaPro, o diretor da Optocentro desvendou-nos as novidades da empresa, para além das soluções para os obstáculos provocados pela pandemia associada ao novo coronavírus.

Ler mais 21 Dezembro 2020
Entrevistas