“Os associados estão em primeiro lugar”

Imagem da notícia: “Os associados estão em primeiro lugar”

ÓpticaPro: Que acções concretas se desenvolveram no seio da classe dos ópticos, desde que preside a Associação Nacional dos Ópticos (ANO)?

Rui Correia: Os acordos de facturação são um excelente exemplo dos resultados desta direcção. Em 2008, estabelecemos o acordo com a Assistência na Doença aos Militares e, no final do ano passado, com o Sindicato Nacional dos Quadros Técnicos Bancários. Estas acções contribuíram para que todos os associados usufruíssem de vantagens com as duas entidades, aumentando, claramente, os benefícios comerciais adjacentes.

OP: Prossegue com a tentativa de regulamentar o sector?

RC: Acima de tudo, queremos regras para a abertura e o funcionamento de ópticas. É importante que todos os estabelecimentos tenham um técnico devidamente qualificado e uma oficina bem equipada. Acreditamos que ao desenvolver um trabalho mais competente, formado, profissional e assente na proximidade ao cliente, a classe da óptica nacional ganhará prestígio e força para combater a crise económica e a competitividade das grandes cadeias internacionais.

OP: E em relação à certificação das ópticas em Portugal…

RC: Está em carteira, junto da regulamentação da actividade. São as melhores formas de elevar a exigência da prática em Portugal e nivelar a qualidade dos serviços.

 

Leia a versão integral na edição nº 78 da ÓpticaPro

 

 

 

14 Maio 2010
Entrevistas

PUBLICIDADE
|MIDO 2021

Notícias relacionadas

Daniela Guerreiro: “O mercado da ótica mudou bastante”

Com uma recente remodelação, a Oculista Carioca, nos arredores de Sintra, está mais atrativa e funcional. Com “um serviço de qualidade, seriedade e profissionalismo”, Daniela Guerreiro, há 16 anos na empresa fundada pelo pai, reconhece que o mercado mudou bastante desde então.

Ler mais 20 Julho 2020
Entrevistas

“Iremos colocar em prática uma forte campanha de sensibilização”

Em meados de maio, a Associação Nacional dos Ópticos (ANO) apresentou os resultados do inquérito ao subsector de comércio a retalho de material ótico, pedido ao Centro de Estudos Aplicados (CEA) da Universidade Católica Portuguesa (UCP), com o objetivo de analisar o impacto da pandemia Covid-19 nesta área. Falámos com Fernando Tomaz, presidente da direção da ANO, para conhecermos as principais conclusões do estudo e as medidas que se impõem.

Ler mais 26 Junho 2020
Entrevistas