“Ver bem está diretamente relacionado com uma melhor qualidade de vida”

Imagem da notícia: “Ver bem está diretamente relacionado com uma melhor qualidade de vida”

A Direção de Saúde Visual da Essilor Portugal está a fazer um inquérito à população portuguesa para conhecer as opiniões e rotinas dos indivíduos potencialmente presbitas e tentar compreender os hábitos visuais de cada um, especialmente no atual contexto de pandemia.

Alberto Silva, diretor do Departamento de Saúde Visual da Essilor, salienta que “o estudo vai ao encontro do mantra da Essilor – Vê Melhor, Vive Melhor – tendo subjacente a nossa filosofia de que ‘ver bem, não é incompatível com ver-se bem’ e ambas são importantes para nos sentirmos melhor”.

O que quer dizer exatamente quando afirma que “ver bem não é incompatível com ver-se bem”?

É fundamental ter em conta que a má visão tem um impacto fortemente negativo na sociedade, com um custo económico associado à fraca produtividade, ao insucesso escolar, aos acidentes de trabalho, rodoviários e outros. Acresce, ainda, a manifesta perda de qualidade de vida associada à visão deficiente e não corrigida. Ou seja, ver bem está diretamente relacionado com uma melhor qualidade de vida. Aumentando a qualidade da nossa visão, impactando a qualidade do nosso dia a dia, estamos a contribuir para uma sociedade mais saudável e capacitada.

Passando ao inquérito, como surgiu esta ideia?

A ideia surgiu, como muitas outras coisas, da necessidade de encontrarmos respostas a algumas questões pertinentes, especialmente num contexto pandémico de confinamento obrigatório, em que todo o nosso “normal” deixou de existir e foi substituído por algo que ainda estamos a tentar perceber o que é. O impacto desta mudança contextual no nosso sistema visual e na forma como vemos o mundo é ainda uma incógnita, daí a importância de tentarmos perceber algumas mudanças de hábitos, atitudes e crenças da população em relação a temas relacionados com a sua visão e a sua saúde visual.

A que tipo de conclusões já chegaram?

Ainda é bastante prematuro falar em conclusões, pois iniciamos há muito pouco tempo o estudo de uma forma alargada, contudo contamos ter dados mais finos um pouco mais à frente. Especialmente sobre a alteração da qualidade da visão durante o confinamento, a importância da saúde visual nas crianças, a correção da presbiopia, etc..

Artigo completo na ÓpticaPro 210.

23 Novembro 2020
Visão

Notícias relacionadas

Covid-19: optometristas querem saber quando vão ser vacinados

Os optometristas estão sujeitos a uma exposição de risco elevado ao contágio pelo coronavírus SARS-CoV-2 no exercício da sua atividade como profissionais de saúde, devido à proximidade com os utentes. Esta preocupação levou a Associação de Profissionais Licenciados de Optometria (APLO) a questionar o Ministério da Saúde sobre o prazo previsto para o processo de vacinação dos optometristas.

Ler mais 13 Janeiro 2021
AtualidadeVisão