“A auto-regulação e os clientes têm a última palavra”

ÓpticaPro: Licenciou-se em Farmácia e trabalhou durante alguns anos como farmacêutico. Porquê enveredar pela área da óptica?
Paulo Simões: Aconteceu de forma natural. O meu pai criou em 1957 a secção de óptica na Farmácia Confiança de Viseu e tenho, por isso, um contacto com a área desde sempre. Na altura da divisão patrimonial com a família optei pelo desenvolvimento da minha actividade como empresário de óptica ocular.

 

OP: Existe uma grande diferença entre os dois sectores relativamente à legislação…
PS: De facto, não são comparáveis. A legislação farmacêutica, embora tenha vindo a evoluir nos últimos tempos, procurou sempre a salvaguarda dos interesses da saúde pública e do consumidor. O principal cliente das farmácias ainda hoje é o Serviço Nacional de Saúde, e os outros sub-sistemas, através dos mecanismos de comparticipação e subsidiação. A dimensão do sector
farmacêutico é muito grande, se comparada com o nosso sector. No seio da óptica, não houve capacidade, ou vontade política, para legislar o sector. E creio que com a entrada das cadeias multinacionais muito dificilmente isso virá a acontecer. A auto-regulação e os clientes terão a última palavra.

 

OP: Para além desta legislação, o que falta ao sector da óptica para que possa atingir o patamar das farmácias?
PS: Falta-nos “um” doutor João Cordeiro, presidente da Associação Nacional das Farmácias, e a imensa equipa de colaboradores que soube chamar a si, para há mais de 35 anos liderar um sector de actividade sempre invejado. Soube actuar sobre os decisores políticos, sobre a produção, a distribuição, a qualidade e a formação profissional do sector,
sobre os sistemas de gestão informática das farmácias, as políticas de pagamento do Estado ao sector e a salvaguarda dos interesses da classe na protecção social. Com isto não quero desvalorizar o imenso trabalho dos diversos dirigentes associativos em prol da dignificação e valorização do ramo da óptica ocular, mas a dimensão dos sectores é incomparável e existe ainda muito por fazer.


OP: Há cerca de um ano e meio decidiu criar a marca Visual Center…
PS: Decidi traçar o meu caminho de forma autónoma. O Visual Center decorreu, portanto, da saída da franquia a que estivemos ligados nos últimos anos . Esta nova fase passou já pela abertura de mais uma loja de rua em Viseu com uma imagem totalmente nova, a reforma de outras e a expansão para Lisboa, onde vamos, numa primeira fase, abrir três lojas de rua em Setembro. O Visual Center aposta sobretudo nas suas pessoas, no reforço permanente de uma “cultura de empresa” que confira uma identidade coesa e distintiva, um modo específico de fazer e de estar. A missão assenta num serviço de excelência, com elevado sentido ético e profissionalismo e a nossa visão passa por sermos diferentes e fazer melhor. O único compromisso que assumimos é, definitivamente, com o consumidor.


Veja a versão integral na edição nº 81 da ÓpticaPro

6 Setembro 2010
Entrevistas

PUBLICIDADE
MIDO 2022
PUBLICIDADE
jackNoble
PUBLICIDADE
.....nome do evento, marca, etc.....
PUBLICIDADE
Vision Plus Expo 2021

Notícias relacionadas

“A Prooptica atua de olhos postos no futuro”

Numa altura em que a Prooptica comemora 28 anos de existência Luís Justino, administrador da empresa, desvenda em entrevista os segredos do sucesso, as dificuldades vividas e as oportunidades que a pandemia de Covid-19 trouxeram. Para o futuro, o administrador imagina uma empresa fascinada pela internacionalização e pelo desenvolvimento sustentado, com o mesmo objetivo de sempre: garantir a satisfação plena de todos os parceiros.

Ler mais 3 Setembro 2021
Entrevistas

“Os óculos são objetos que qualificam as pessoas”

Uma das pessoas mais reconhecidas no mundo da ótica, especialmente quando falamos do conceito de óculos modernos, falou em exclusivo para Portugal à ÓpticaPro. Contador de histórias, Paolo Seminara respira paixão por uma profissão onde “o tempo voa”.

Ler mais 10 Agosto 2021
AtualidadeEntrevistasÓculos