“Negócio” da prescrição de óculos está em extinção?

Imagem da notícia: “Negócio” da prescrição de óculos está em extinção?

Segundo um artigo publicado na Forbes, assinado por Richard Kestenbaum (co-fundador e sócio da Triangle Capital LLC, empresa especialista em fusões, aquisições e aumento de capital em negócios relacionados com o consumidor), a resposta é sim. O texto foi publicado a 15 de dezembro de 2019, antes da pandemia Covid-19 eclodir no mundo, mas talvez faça mais sentido agora, pelas mudanças que se impõem. Leia parte do artigo aqui:

O negócio dos óculos está próximo da extinção e quase ninguém está pronto para isso

O “negócio” da prescrição de óculos tem a mesma estrutura há muito tempo. O paciente consulta um oftalmologista ou um optometrista para fazer o exame de refração e compra os óculos numa ótica. Várias empresas estão a vender óculos graduados online, mas é um mercado limitado, uma vez que é necessário realizar os exames e só é possível fazê-los num gabinete de optometria ou num consultório médico.

Muita coisa vai mudar. É difícil dizer exatamente quando, pois isso depende da Food and Drug Administration (FDA), mas a mudança está a chegar. Esta mudança é impulsionada por avanços noutra área, a telemedicina, tratando pacientes remotamente ou eletronicamente. Será possível realizar exames de refração a partir de casa, usando um smartphone, laptop ou possivelmente ambos. Mais importante, provavelmente terá o mesmo custo ou será mais barato do que ir a uma ótica ou a um médico para fazê-lo. Várias empresas estão a trabalhar no desenvolvimento de uma versão “caseira” do exame e outras tentam obter aprovação junto da FDA para venda aos consumidores.

Os players estabelecidos no mercado lutam contra esta mudança; dizem que nunca será permitido fazer exames refrativos em casa. Entre os seus argumentos está o facto de que, quando um paciente vai ao consultório médico, recebe também informações sobre outras doenças oculares graves, como o glaucoma, e muita prevenção acontece após esses testes. A indústria diz que se os consumidores fizerem testes à visão em casa, perderão outros cuidados oftalmológicos que podem ajudá-los a evitar doenças oculares mais graves. Os defensores da refração online respondem afirmando que continuarão a alertar os consumidores para procurarem o médico nesses casos.

E quem ganhará e perderá com esta mudança, pergunta o autor? Segundo Richard Kestenbaum, quem ganha são as empresas que vendem óculos de prescrição online e, claro, os consumidores que preferem o comodismo. Na lista dos “perdedores” estão as grandes cadeias de eyewear, os proprietários de óticas, os optometristas e os médicos oftalmologistas, entre outros. Acrescenta que as lojas de óculos de luxo continuarão a existir em qualquer um dos cenários, pois “vendem” prestígio. E vai demorar muito tempo até que a tecnologia substitua isso.

Concorda com o autor? Partilhe connosco a sua opinião.

21 Maio 2020
ÓculosOpinião

PUBLICIDADE
MIDO 2022
PUBLICIDADE
jackNoble
PUBLICIDADE
.....nome do evento, marca, etc.....
PUBLICIDADE
Vision Plus Expo 2021

Notícias relacionadas

Brandsday Opticalia revelou as novas “tendências” eyewear do grupo ótico

A reunião com os seus associados foi o mote para a apresentação das novas coleções do universo Opticalia. 720 modelos estiveram em exposição, representativos de 13 marcas exclusivas da Opticália, num evento realizado esta quinta-feira (16 setembro) no edifício Indulgent, no Porto.

Ler mais 17 Setembro 2021
AtualidadeEventos e formaçãoGrupos de óticaÓculos

Max Mara 1951 com edição limitada

Para comemorar os 70 anos da marca de moda italiana, a Marcolin desenhou um par de óculos de sol para a Max Mara Eyewear que interpreta a essência da marca com requinte e inovação, criada numa parceria de cinco anos anunciada recentemente.

Ler mais 8 Setembro 2021
AtualidadeÓculos