António Alves: Covid-19 e o impacto no setor da ótica

Imagem da notícia: António Alves: Covid-19 e o impacto no setor da ótica

António Alves, diretor-geral da Opticalia Portugal, falou com a ÓpticaPro sobre o impacto da Covid-19 no setor da ótica. “Como na economia em geral muito nefastos. Com as pessoas em confinamento obrigatório, apesar da ótica ser considerada uma atividade que poderia continuar trabalhar, a verdade é que não há clientes que permitam os negócios funcionarem de uma forma sustentável. Agora e mais importante, é que o período de contingência não se prolongue muito mais, para que assim eu seja levantado, as nossas óticas possam recomeçar a trabalhar. Temos tudo preparado para recebermos os clientes a partir do momento em que for possível fazê-lo”

Afirma ainda que “será inevitável reavaliarmos a nossa forma de trabalharmos e criarmos novas rotinas. Em primeiro lugar acredito que será importantíssimo conseguir restaurar a tranquilidade no cliente. Quando se vivem momentos como os que vivemos é normal que as pessoas fiquem com receio, por isso é muito importante conseguir tranquilizar os clientes. E do outro lado, temos os funcionários das lojas que também têm que ‘aprender’ a proteger-se e a higienizar toda a loja para esta nova realidade, o que implica criar um conjunto de normas e procedimentos internos no funcionamento da loja. Mas, neste momento já temos isso tudo em andamento, para a partir de maio podermos receber melhor do que nunca todos os nossos clientes”.

Não perca esta e outras opiniões na próxima edição da ÓpticaPro. 

8 Maio 2020
Opinião

PUBLICIDADE
MIDO 2022
PUBLICIDADE
jackNoble
PUBLICIDADE
Vision Plus Expo 2021

Notícias relacionadas

Óculos e lentes de contacto em tempos de pandemia

Uma das formas de prevenir o contágio pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2) é evitar levar as mãos ao rosto. Acontece que, quem usa óculos ou lentes de contacto, costuma mexer nos olhos mais frequentemente. O médico oftalmologista José Salgado-Borges escreve-nos algumas dicas sobre como podemos proteger-nos melhor durante a pandemia de Covid-19.

Ler mais 5 Janeiro 2021
Opinião