“Os equipamentos tecnológicos afetam negativamente a visão das crianças”

Imagem da notícia: “Os equipamentos tecnológicos afetam negativamente a visão das crianças”

Com uma equipa de quatro profissionais na área da saúde da visão, a Kids & Teens, em Lisboa, concentra diversas outras especialidades dirigidas aos mais novos. Para Gracinda Alves, ortoptista que trabalha nesta clínica liderada pela médica dentista Sofia Arantes e Oliveira, “a utilização dos equipamentos tecnológicos, como telemóveis ou tablets, afeta negativamente a visão das crianças pela atitude dos pais, que os deixam usar desde muito novos”.

Acredita que a cada vez maior utilização de aparelhos tecnológicos afeta gravemente a saúde visual?

Gracinda Alves: A utilização dos equipamentos tecnológicos, como telemóveis ou tablets, afeta negativamente a visão das crianças pela atitude dos pais, que os deixam usar desde muito novos. Há estudos que indicam que esses hábitos levam a alguma miopização. Uma criança que não teria à partida problemas de visão, pode eventualmente vir a ter uma miopia de meia dioptria ou talvez uma dioptria. Mas isso é daquelas situações extremas, crianças a olhar para um ponto muito perto. Mas, neste momento, os tablets e telemóveis, em situações de ambliopia, em que tapamos um olho à criança para estimular o outro, são um dos gadgets que utilizamos para estimularem a visão, coisa que eles acham muita piada. Para eles, é uma estratégia deliciosa. 

Que tipo de conselhos costuma dar aos pais?

GA: Vigiar a visão das crianças e antes da escola fazerem realmente uma visita ao oftalmologista e, se necessário, fazerem uma avaliação de ortóptica para saber se a visão binocular está em condições. Normalmente, as pessoas estão habituadas a ouvir falar em olhos e ver bem, mas não é só isso. Necessitamos de ver bem, que os dois olhos estejam alinhados para que a imagem que recebem chegue ao cérebro como uma, para que exista aquilo que se fala muito que é a visão a 3D, algo que só se consegue se os dois olhos estiverem a trabalhar em conjunto. Os olhos têm movimento, realizado por músculos, e, quando estamos a ler, esses músculos vão obrigar a fazer a convergência para a leitura. Quanto mais tempo estiverem numa posição de convergência, mais se cansam, tal e qual como se estivermos muito tempo em pé.

Entrevista completa na ÓpticaPro 201.

6 Fevereiro 2020
Entrevistas

PUBLICIDADE
|MIDO 2021
PUBLICIDADE
Vision Plus Expo 2021

Notícias relacionadas

“É indescritível sentir que com pouco mudamos a vida de alguém”

Apaixonados por viagens e ligados ao mundo da ótica, Ana Carvalho e Vítor Martins são pessoas inspiradoras, que aliam o gosto de viajar à ajuda ao próximo. Numa conversa com a ÓpticaPro, os proprietários da Ótica Maxivisão desvendaram-nos as suas aventuras e missões em conjunto, para além da história da marca. Apesar de a pandemia associada ao novo coronavírus ter adiado alguns sonhos, de uma coisa estão seguros: não os parou.

Ler mais 27 Abril 2021
EntrevistasRevista

Criador da Police Eyewear muda-se para Portugal

O designer e criador da marca Police Eyewear, Bruno Palmegiani, decidiu mudar-se de armas e bagagens para Lisboa no ano passado, onde tenciona colocar em prática algumas ideias e projetos quando a pandemia o permitir.

Ler mais 22 Fevereiro 2021
Entrevistas

“Nunca mais vamos voltar a trabalhar como antigamente”

Confesso otimista, irrequieto e ambicioso, Rui Motty é uma pessoa inspiradora, característica própria dos líderes. Numa longa conversa com a ÓpticaPro, o diretor da Optocentro desvendou-nos as novidades da empresa, para além das soluções para os obstáculos provocados pela pandemia associada ao novo coronavírus. De uma coisa está certo: nada voltará a ser como antes.

Ler mais 20 Janeiro 2021
Entrevistas