Esclarecimento sobre a criação da APLO

Imagem da notícia: Esclarecimento sobre a criação da APLO

A direção da APLO – Associação de Profissionais Licenciados de Optometria enviou um comunicado à redação da revista ÓpticaPro a propósito da entrevista com Miguel Rocha, publicada na edição número 160 (setembro). De acordo com o comunicado, o conteúdo e as afirmações que atribuímos a Miguel Rocha, no que concerne à criação da APLO, não correspondem à verdade.

“Compete à APLO, em defesa da verdade factual, informar que o nome do Dr. Miguel Rocha não consta na escritura, nem fez parte do grupo de indivíduos que fundou a APLO e, consequentemente, definiu os seus estatutos originais. Os nomes dos três membros fundadores da APLO, que constam na escritura, são António Ribeiro, Nuno Loureiro e Raúl Sousa. Esse facto pode ser verificado na escritura de constituição da APLO no 1º Cartório Notarial de Vila Nova de Famalicão, livro de escrituras 75, folha 17 e 17 verso, de 19 de fevereiro de 1998”.

“No interesse da preservação da verdade histórica da instituição APLO e da optometria em Portugal, agradecemos a retirada pública dessas afirmações por não corresponderem à verdade dos acontecimentos e por poderem induzir outros em erro, assim como a retirada de qualquer divulgação que contenha as afirmações mencionadas”.

Contactado pela ÓpticaPro, Miguel Rocha confirmou as informações publicadas neste comunicado da APLO e mostrou-se totalmente disponível para repor a veracidade dos factos.

Saiba mais sobre este assunto em breve.

30 Setembro 2016
Atualidade

Notícias relacionadas

Plano de contingência: comunicado HOYA

Carlos Matos, country manager da HOYA Portugal, dirige-se a todos os clientes e profissionais do setor, no seguimento do novo confinamento geral decretado pelo Governo.

Ler mais 14 Janeiro 2021
AtualidadeLentes

Novo confinamento: óticas mantêm portas abertas

O Governo já anunciou as medidas do novo confinamento geral para um combate necessário ao avultado número de infetados com Covid-19. Na generalidade, voltam a ser aplicadas as regras do primeiro confinamento, altura em que as óticas foram consideradas serviços essenciais e puderam abrir ao público.

Ler mais 14 Janeiro 2021
Atualidade