Quem representa a Zerorh+ emana força

Imagem da notícia: Quem representa a Zerorh+ emana força

ÓpticaPro: Porquê a aposta em Nélson Évora para lançar a Zerorh+ em Portugal?

Stefano Fabris: O Nélson é a pessoa certa para esta campanha em território português, graças às provas dadas no triplo salto e ainda à imagem fabulosa que apresenta. De facto, o atleta luso assume-se como um misto de moda e desporto, indo de encontro à filosofia da marca. Tal como Nélson Évora, todos os rostos que elegemos para representar a Zerorh+ emanam força, paixão e ‘performance’ excepcionais, constituindo-se como exemplos perfeitos de credibilidade desportiva.

 

OP: A Zerorh+ combina as necessidades técnicas do desporto com as tendências da moda mundial. Como conseguem esta interacção?

SF: Preocupamo-nos tanto com os materiais usados, como com as lentes aplicadas e as cores associadas e isto resulta em modelos dinâmicos, seguros, confortáveis e excepcionalmente atractivos. O objectivo é criar um ‘design’ único e inovador, que a par da componente estética, revele qualidade comprovada em termos de tecnologia.

 

OP: A marca é reconhecida graças às colecções de fabrico exclusivamente italiano. É este o segredo para o sucesso da Zerorh+?

SF: Talvez seja esse o segredo para parte do êxito. No essencial, o sucesso assenta no envolvimento pessoal do ‘designer’ com a sua criação e no investimento sério no produto. Quando se trabalha com fábricas e laboratórios de qualidade adivinha-se desde logo um bom resultado. Além disso, temos modelos muito particulares, direccionados a pessoas que procuram óculos ‘fashion’ com uma componente mais prática, para um uso diário e prolongado.

 

OP: De que forma adaptam as lentes às diversas actividades ‘outdoor’?

SF: Os nossos óculos são ideais para qualquer tipo de actividade ao ar livre. Revelam-se, de facto, modelos multifacetados, já que se destinam a todos os que procuram uma solução estética, adequada à prática de desportos no campo, no mar e na montanha. Representam ainda o acessório perfeito para uma saída com amigos. Deste modo, faz parte do nosso trabalho analisar todas estas vertentes aquando da criação dos óculos. Os produtores de lentes começam o seu trabalho no laboratório e depois testam-no em campo. Estudamos também a conjugação das cores e dos detalhes para atingir uma protecção visual de excelência.

 

OP: Até nos aspectos mais técnicos se preocupam com o lado ‘fashion’…

SF: Sim, é essa a filosofia da Zerorh+. No entanto, se a componente estética limitar a funcionalidade dos óculos, deixa-se para segundo plano. Acima de tudo, queremos um produto que funcione bem nas várias circunstâncias.

 

OP: A marca direcciona-se para um segmento específico de mercado, o luxo de carácter desportivo. Porquê enveredar por este caminho?

SF: Tínhamos a percepção que, dentro do mundo da moda, nenhuma outra marca cobria esta fatia de mercado. Trata-se de um segmento luxuoso com necessidades mais técnicas. A Zerorh+ nasceu, portanto, num panorama onde os modelos mais “chiques” nem sempre conseguiam satisfazer os requisitos dos altos padrões em desporto e tecnologia.

 

OP: Qual o ‘feedback’ que esperam do público português?

SF: De certeza que apreciarão o nosso produto, por diversos aspectos. Em primeiro lugar, trata-se de uma peça de qualidade comprovada e, em segundo, porque os óculos são atractivos e muito confortáveis. Por outro lado, possuímos um ‘design’ fabricado em Itália, um país europeu com o qual os portugueses, sem dúvida, se identificam.

5 Fevereiro 2010
Entrevistas

PUBLICIDADE
|MIDO 2021

Notícias relacionadas

Daniela Guerreiro: “O mercado da ótica mudou bastante”

Com uma recente remodelação, a Oculista Carioca, nos arredores de Sintra, está mais atrativa e funcional. Com “um serviço de qualidade, seriedade e profissionalismo”, Daniela Guerreiro, há 16 anos na empresa fundada pelo pai, reconhece que o mercado mudou bastante desde então.

Ler mais 20 Julho 2020
Entrevistas

“Iremos colocar em prática uma forte campanha de sensibilização”

Em meados de maio, a Associação Nacional dos Ópticos (ANO) apresentou os resultados do inquérito ao subsector de comércio a retalho de material ótico, pedido ao Centro de Estudos Aplicados (CEA) da Universidade Católica Portuguesa (UCP), com o objetivo de analisar o impacto da pandemia Covid-19 nesta área. Falámos com Fernando Tomaz, presidente da direção da ANO, para conhecermos as principais conclusões do estudo e as medidas que se impõem.

Ler mais 26 Junho 2020
Entrevistas