“A relação humana é fundamental”

Imagem da notícia: “A relação humana é fundamental”

Luís Góis, Vera Velosa e Paulo Arromba, gerentes do Grupo Institutoptico, explicaram-nos que o lado humano da ótica continua presente no negócio ‘online’.

“A questão coloca-se mais na perspetiva da satisfação do cliente, do aconselhamento e do serviço profissional, que só uma ótica pode proporcionar. Na aquisição de uma correção visual e, mesmo na compra dos óculos de sol, há determinadas características que, apesar da componente estética dos mesmos, podem interferir no conforto e fazem com que a adaptação ao rosto não seja a mais adequada, já que existe uma série de pormenores a verificar presencialmente, para não falar que se trata de um acessório que se usa no rosto e que é a marca da imagem pessoal do cliente. Neste sentido, sendo que este deve ter acesso às soluções mais adequadas à sua necessidade específica e onde as óticas devem prestar um serviço de excelência.

O melhor caminho para as óticas independentes conseguirem competir de forma mais sustentada é por um lado na focalização da sua ótica física onde existem outros fatores que influenciam a experiência da compra dos clientes e por outro associarem-se a um grupo que lhes permita crescer ganhando maior poder negocial e beneficiando de ferramentas de apoio ao seu negócio por quem conhece, trabalha e está por dentro do setor da ótica em Portugal, como é o caso do Institutoptico”.

Saiba mais na ÓpticaPro 140!

20 Fevereiro 2015
Atualidade

Notícias relacionadas

Plano de contingência: comunicado HOYA

Carlos Matos, country manager da HOYA Portugal, dirige-se a todos os clientes e profissionais do setor, no seguimento do novo confinamento geral decretado pelo Governo.

Ler mais 14 Janeiro 2021
AtualidadeLentes

Novo confinamento: óticas mantêm portas abertas

O Governo já anunciou as medidas do novo confinamento geral para um combate necessário ao avultado número de infetados com Covid-19. Na generalidade, voltam a ser aplicadas as regras do primeiro confinamento, altura em que as óticas foram consideradas serviços essenciais e puderam abrir ao público.

Ler mais 14 Janeiro 2021
Atualidade