Chegada do verão exige atenção redobrada

Imagem da notícia: Chegada do verão exige atenção redobrada

O novo alerta do Consejo General de Colegios de Ópticos-Optometristas à sociedade recai na compra de óculos de sol, que deve ser exclusivamente realizada em estabelecimentos de óptica.

A razão prende-se pelo facto de serem os únicos locais onde se pode garantir que determinado modelo protege o utilizador das radiações solares nocivas.

Juan Carlos Martínez Moral, presidente desta instituição, chama a atenção de que o verão é a altura do ano em que há maiores fatores de risco relativamente à proteção da pele e dos olhos.

“Embora a maioria das radiações solares seja eficazmente filtrada nos nossos olhos, a exposição crónica às mesmas a uma alta e seletiva quantidade, durante um curto período de tempo, como numa ida à praia ou à piscina, pode dar lugar a graves problemas visuais”, disse o responsável.

Estes momentos compreendem uma exposição de três a quatro horas, com especial perigo ao meio dia (12h).

Os óculos de sol são o principal “escudo” contra estes males, devendo conter lentes homologadas, cristais e filtros solares de qualidade.

Aconselha igualmente modelos de cores não muito escuras nem tão claras, sendo as ideais o marron, cinza e verde. Daí a necessidade de garantir os melhores modelos, mais adequados a cada utilizador, apenas possível nos espaços certificados como as ópticas.

O alerta estende-se também a evitar o contacto de água da piscina e do mar diretamente com os olhos e, ainda, ter em atenção os locais onde há maior secura, como a montanha, para não aumentar os efeitos do olho seco.

22 Julho 2014
Atualidade

Notícias relacionadas

Plano de contingência: comunicado HOYA

Carlos Matos, country manager da HOYA Portugal, dirige-se a todos os clientes e profissionais do setor, no seguimento do novo confinamento geral decretado pelo Governo.

Ler mais 14 Janeiro 2021
AtualidadeLentes

Novo confinamento: óticas mantêm portas abertas

O Governo já anunciou as medidas do novo confinamento geral para um combate necessário ao avultado número de infetados com Covid-19. Na generalidade, voltam a ser aplicadas as regras do primeiro confinamento, altura em que as óticas foram consideradas serviços essenciais e puderam abrir ao público.

Ler mais 14 Janeiro 2021
Atualidade