“Estamos incrivelmente fortes”

Imagem da notícia: “Estamos incrivelmente fortes”

Pierre Bessez, ‘senior vice-president of European designer brands’ da Marchon Eyewear, expôs em entrevista à ÓpticaPro os principais traços das colecções de 2012 das marcas que acompanha.

ÓpticaPro: Como qualifica a ‘performance’ da Marchon Eyewear no presente?

Pierre Bessez: Temos novas marcas e, como comunidade Marchon, estamos a crescer muito. A Marchon Portugal foi uma das apostas mais recentes do grupo. Em termos de números, globalmente, estamos a vender mais óculos de sol do que os restantes produtos ópticos. Porém, estamos muito equilibrados e esperamos mais do que duplicar o nosso negócio na Europa, nos próximos cinco anos. Pensamos que a extensão das nossas marcas vai ajudar-nos a atingir esse objectivo. E, provavelmente, iremos triplicar as nossas vendas na Ásia nos próximos três anos. Esse crescimento, por sua vez, não será tão grande na América, pois já somos muito fortes nesse mercado.

OP: Portanto, a maior zona de investimento da Marchon, neste momento, é a Europa?

PB: Nós estamos a investir em todo o mundo, mas, de facto, há uma aposta muito forte na Europa. E isso também acontece porque hoje não há marcas verdadeiramente asiáticas. Foi por isso que sentimos que as marcas europeias teriam potencial para crescermos enquanto companhia. Provavelmente, iremos, também, duplicar o nosso negócio na América. Esperamos chegar ao milhar de milhão de dólares nos próximos três anos, o que representa um crescimento de 80 por cento em relação a hoje.

Entrevista na íntegra na ÓpticaPro 95

 

12 Setembro 2011
Atualidade

Notícias relacionadas

Plano de contingência: comunicado HOYA

Carlos Matos, country manager da HOYA Portugal, dirige-se a todos os clientes e profissionais do setor, no seguimento do novo confinamento geral decretado pelo Governo.

Ler mais 14 Janeiro 2021
AtualidadeLentes

Novo confinamento: óticas mantêm portas abertas

O Governo já anunciou as medidas do novo confinamento geral para um combate necessário ao avultado número de infetados com Covid-19. Na generalidade, voltam a ser aplicadas as regras do primeiro confinamento, altura em que as óticas foram consideradas serviços essenciais e puderam abrir ao público.

Ler mais 14 Janeiro 2021
Atualidade