“A autonomia dos daltónicos”

Imagem da notícia: “A autonomia dos daltónicos”

ÓpticaPro: O código ColorAdd nasce do desejo de mudar algo na sociedade…

Miguel Neiva: Sim, de facto tive um grande amigo daltónico na infância que constantemente sofria com a chacota dos colegas. Esta situação pesou muito na criação do ColorAdd. O projecto arrancou, em definitivo, com a minha tese de mestrado em Design e Marketing, integrado na componente têxtil. Aproveitei para criar uma ferramenta, que cresceu além da aplicabilidade original no vestuário e é hoje útil para a sociedade, em diferentes valências com vantagens acrescidas na educação, saúde e transportes. Espero que o ColorAdd venha a representar a autonomia e integração social dos daltónicos.


 


OP: Como funciona o código em termos técnicos?


MN: Qualquer código baseia-se em dois factores importantes: a forma e a cor. Como os daltónicos não percepcionam a cor, a forma tem forçosamente que a representar. Neste sentido, criei uma série de símbolos que, conjugados, representam as diferentes cores. A base assenta em três símbolos principais, associados às tonalidades primárias, que interpretarão todas as cores quando “casados” com outros. Acrescentei ainda duas imagens para o preto e para o branco, que formam os tons claros e escuros, completando assim a paleta. Este sistema torna-se num jogo mental, que relaciona de maneira fácil as cores e os seus desdobramentos. Além disso, deste modo evito o “peso” ou conotação negativa que qualquer solução menos “secreta” acarretaria. Por exemplo, o cego “carrega” uma bengala e o deficiente motor, uma cadeira de rodas. Como o daltonismo constitui uma limitação invisível, o daltónico continua disfarçado na sociedade através do ColorAdd.


 


OP: O projecto terá, então que ser assumido pela sociedade em geral, para que o daltónico continue invisível…


MN: Estou há quase dois anos a trabalhar na sua implementação. Preciso do apoio da comunicação social e da acreditação de algumas entidades importantes à divulgação deste projecto. O ‘site’ www.coloradd.net e uma página no facebook possibilitam uma comunicação informal do trabalho desenvolvido. Além disso, tenho “corrido” o mundo a apresentar o ColorAdd. Há pouco tempo, participei no Congresso Mundial da Cor, em Sidney, e o ‘feedback’ da comunidade científica ligada a esta temática foi espantoso. Acredito, portanto, que o ColorAdd vingará.


 


 


OP: Esteve com o projecto em mãos cerca de oito anos. Como se desenvolveu todo o processo?


MN: Comecei por estudar, com o apoio de oftalmologistas, a incapacidade em si, ou seja, as alterações oculares ou neurológicas que provocam o daltonismo. Depois indaguei acerca dos problemas efectivos dos daltónicos, enquanto cidadãos. Finalmente, aproximei-me da realidade destas pessoas com o lançamento de um questionário na internet, onde recebi contactos de todo o mundo. A conclusão que se impõe é que o daltónico sofre em silêncio por não se integrar na sociedade, dependendo de terceiros para a realização de tarefas quotidianas simples. A última pergunta do inquérito incidia sobre a solução do problema. Cerca de 20 por cento dos inquiridos referiram a criação de um código. Estas opiniões validaram a necessidade do ColorAdd.


 


OP: E de que forma aplica o ‘design’ a este sistema?


MN: O ‘design’ existe em tudo, já que o conceito e o método que o consituem são transversais a todos os quadrantes da sociedade, independentemente do local, cultura, língua ou religião. Neste projecto em específico, tive que me conter nas partes materiais e visuais do código, onde normalmente o artista consegue espelhar a sua capacidade criativa. Se tornasse os símbolos demasiado complexos, deixariam de ser perceptíveis, pois dirigem-se a cerca de 10 por cento da população masculina mundial, que é a representatividade actual dos daltónicos.

19 Janeiro 2010
Entrevistas

PUBLICIDADE
MIDO 2022
PUBLICIDADE
jackNoble

Notícias relacionadas

“Somos muito gratos aos nossos pais pelo que construíram com tanta paixão”

Após uma ligação de vários anos com o Institutoptico, a Ofetal (cadeia de óticas de Oeiras) decidiu criar uma parceria com a concorrente Optivisão. Quatro anos após uma entrevista com os filhos dos fundadores da empresa - Raquel Cotovio e Ana e André Dominguez - quisemos saber quais os motivos da mudança e os projetos de futuro de uma empresa onde as raízes e valores familiares estão sempre presentes.

Ler mais 25 Novembro 2021
Entrevistas

“A UDM é, na verdade, um projeto que cresceu connosco”

A marca italiana Unique Design Milan, fundada por dois amigos durante o período universitário, está em processo de internacionalização. Com a representação em Portugal a cargo de Mario Torre e Rui Lopez, a sua presença no mercado português está a crescer de forma sustentada, de acordo com a sua premissa de qualidade superior, produtos feitos exclusivamente à mão. A ÓpticaPro aproveitou a primeira visita dos dois criadores da UDM a Lisboa – Stefano Romanelli e Mattia Colleoni, para perceber os seus objetivos de expansão da marca.

Ler mais 17 Novembro 2021
Entrevistas

“A vontade de crescer leva qualquer pessoa longe”

A década de 90 marca o início daquela que seria uma bela história de amor. De Lisboa para Anadia, o negócio de duas gerações cresceu a partir da Ourivesaria e deu lugar à Óptica Almeida. Com o amor veio o sucesso, e com ele nasce a Opticalia AliÓpticas em 2011. A ÓpticaPro falou com Ana Paula Cardoso, responsável pela marca, que nos guia por entre alguns dos momentos que marcam o 25º Aniversário desta ótica.

Ler mais 15 Novembro 2021
Entrevistas