“A DMDI está a fazer um excelente trabalho”

Imagem da notícia: “A DMDI está a fazer um excelente trabalho”

O Michael Pachleitner Group (MPG) alberga um conjunto de 11 marcas, onde a mais reconhecida é sem dúvida a irreverente RedBull. Muito mais do que apenas fabricantes de óculos, o grupo aposta na criação de soluções óticas que vão desde armações a lentes oftálmicas. A ÓpticaPro viajou entre Graz e o Porto para conhecer Dietmar Hermus, CEO do grupo MPG e Amel Haring, diretora de Exportação dos austríacos.

Onze marcas independentes compõem o vosso portfólio. Qual é o ADN “muito próprio” que referem e que procuram para o Grupo?

O primeiro tópico tem a ver com 11 marcas e isso é muito difícil de orientar, ter um portfólio tão abrangente e ter vários designs, todos eles diferentes, dentro de um registo de 11 marcas, com vários preços, vários targets. Do ponto de vista do nosso ADN, é importante ter um leque vasto de opções num mundo tão flexível como temos atualmente. É importante ter a resposta correta a todas as perguntas de todos os consumidores.

As 11 marcas também existem porque nós queremos dar uma cobertura 360º aos nossos parceiros óticos. Não temos apenas as onze marcas, temos também lentes oftálmicas que produzimos na Alemanha, temos a nossa fábrica de lentes, que produz produtos para a Essilor ou a Heur. Isto dá-nos uma ideia completa do universo da MPGI. Portanto, não falamos apenas de óculos e lentes oftálmicas, falamos também de vários acessórios que oferecemos às lojas óticas e que complementam também a oferta de lentes.

A MPG desenvolve a sua área de negócio das armações no segmento high-fashion. Quais as características fundamentais que uma marca ou produto deve ter neste segmento?

Estamos também, mais ou menos, no mainstream e na alta-moda. Não se trata apenas de alta-moda, mas também de características mainstream/alta-moda que as marcas deveriam ter. Tal como no passado, é muito importante para nós criar volume e criar produtos que continuem a vender, do que fazer produtos apenas para a montra, mas que são muito difíceis de escoar. Ou produzimos algo em que podemos realmente vender muito rapidamente, e isto é muito importante para construir as características de cada marca. Temos a nossa equipa de design que trabalha exclusivamente para nós, temos oito designers diferentes, por isso atrás de cada marca, há mais ou menos, um designer. Conseguimos assim ver o estilo dos últimos anos, o seu desenvolvimento desde o início, porque é sempre o mesmo designer que segue a marca, o que dá um bom desenvolvimento em cada segmento. Portanto, estamos bastante organizados quanto a isso, sobre a forma de encontrar o melhor caminho para cada marca.

Qual o grupo alvo das vossas criações e que tipo de produtos cada um desses grupos exige?

O grupo alvo é dos zero aos 120! Com o nosso portfólio cobrimos desde crianças ao estilo muito clássico para a geração mais adulta, por isso tentamos que o nosso portfolio chegue a todos. Queremos ter uma oferta de 360 graus. Uma loja ótica exibe 1000 ou 2000 óculos de sol e armações em cada loja. A coleção atual do nosso portfolio é atualmente de cerca de 4500. Assim, temos quatro vezes na nossa coleção, o que uma loja está a expor. Há a questão do grupo alvo, do grupo de preços, do nível de qualidade. No nível da qualidade, há diferentes níveis de segmentação nas lojas óticas. Há as lojas de preços mais baixos, as lojas high-end, por isso estamos a lidar com muitas marcas high-end. A DMDI está a fazer um excelente trabalho, por isso há diferentes orientações em cada grupo alvo que podemos oferecer. Basicamente, é possivel encontrar quase tudo nas nossas coleções.

Graz é uma cidade tão bonita e jovem. Graz é a cidade do design da UNESCO, então temos duas universidades industriais de design na cidade. Podemos usar a inspiração dos alunos de uma maneira muito boa. Por outro lado, a nossa empresa tem 70 anos, tem muito património vindo daí, tem muito conhecimento em trabalhar com muitos, muitos países, e clientes, com muita inspiração que procuramos colocar juntos nossa sede, aqui em Graz.

A RedBull SPECT é talvez a marca mais reconhecida do vosso portfolio. Fale-nos um pouco desta coleção cápsula de óculos e da relação com a marca RedBull?

Antes de mais, tem toda a razão, essa é a nossa marca mais reconhecida do nosso portfólio, porque tem uma relevância mundial. Todos conhecem a RedBull e também sabem o que a RedBull representa. Fomos em 2014 a primeira empresa a receber uma licença de eyewear da RedBull. Para nós foi uma oportunidade única de começar com uma marca completamente nova. O nosso proprietário conhece o Helmut Marko, o diretor de Fórmula 1 da RedBull Racing, que também é de Graz. O nosso proprietário decidiu encontrar-se com Dietmar Mateschitz, o proprietário da RedBull, e fizeram um acordo. Agora fizemos o primeiro prolongamento do contrato, que se vai extender até 2029.

Iniciamos a coleção de gaming, para todos aqueles que usam os seus smartphones a cada dois segundos, com uma função de bloqueio de luz azul para os olhos. A RedBull é muito forte nos e-sports. A partir daí surgiu uma coleção cápsula, vocacionada para os jogos eletrónicos com bloqueio de luz azul. Esta é uma nova porta para nós, para o segmento oftálmico que pode atingir 100% da população, o que é muito interessante para nós. Este será o futuro das lentes.

Entrevista completa na ÓpticaPro 222.

17 Janeiro 2022
Entrevistas

PUBLICIDADE
Bausch Lomb

Notícias relacionadas

A Visão de Rui Cruz

Rui Cruz, responsável pela Óptica Cruz, sediada em Viana do Castelo, protagoniza a rubrica “A Visão de...”, onde damos a conhecer o seu lado mais intimista. Sem nunca esquecer a realidade do setor, procuramos ao longo das edições da ÓpticaPro revelar alguns gostos pessoais das figuras ligadas ao mundo da ótica em Portugal.

Ler mais 27 Maio 2022
CuriosidadeEntrevistas

“A optometria pode ser uma grande mais-valia junto da comunidade desportiva”

Henrique Nascimento, presidente da União Profissional dos Ópticos e Optometristas Portugueses (UPOOP), é, desde o dia 4 de março, doutorado em Visão e Desporto pela Universidade Europeia de Madrid. A ÓpticaPro quis saber as razões que o levaram a apostar nesta formação e conversou com o especialista e investigador em optometria.

Ler mais 9 Maio 2022
Entrevistas

“Conseguir que um paciente veja o mundo com outros olhos é o que nos impulsiona”

Eliana Silva acabou de terminar o mestrado em Optometria Avançada, pela Universidade do Minho, e a ÓpticaPro quis saber o que a motivou a frequentar esta formação. Entre outros pontos, a optometrista do Adão Oculista destacou que “a satisfação de conseguir que um paciente veja o mundo com outros olhos é o que nos impulsiona a continuar nesta procura e constante aprendizagem”.

Ler mais 2 Maio 2022
Entrevistas