“A saída do grupo a que pertencíamos devolveu-nos autonomia”

Imagem da notícia: “A saída do grupo a que pertencíamos devolveu-nos autonomia”

André e José Manuel Lima Cabrita contaram à ÓpticaPro as razões que levaram a OPTIMAX a abandonar o grupo em que estava inserida, a Multiopticas.

ÓpticaPro: Atualmente, o mercado é dominado por vários grupos de ótica. Já esteve nos vossos objetivos voltarem a juntar-se a um deles? 

José Manuel Lima Cabrita: A saída do grupo a que pertencíamos devolveu-nos autonomia e a capacidade de nos centrarmos no cliente e nas suas necessidades. Permitiu-nos implementar ao nosso ritmo e, com base naquilo que consideramos importante, as soluções e serviços que nos garantem ir ao encontro do solicitado diariamente pelos nossos clientes. Esta proximidade é algo que não tencionamos prescindir.

OP: Acham que a existência de grupos e a transição das óticas para as grandes superfícies vão fazer “desaparecer” o ótico de rua, mais tradicional?

André Lima Cabrita: Infelizmente estamos a assistir ao que já se passou noutros mercados, em que os grandes grupos apenas se focam em destruir valor, suportado pelo trabalho desenvolvido pelos óticos tradicionais ao longo de décadas. Ao comunicarem, por exemplo, um par de lentes progressivas por determinado preço (cada vez mais baixo) estão a deixar de fora da mensagem as características que justificam a diferença de preço. Claramente que muitas dessas campanhas são desenhadas por quem não usa essas lentes e não tem como foco principal a qualidade da visão dos seus clientes. Felizmente, apesar de alguns clientes “irem na cantiga”, a maior parte das vezes sentem-se defraudados e regressam a quem os serviu bem e com qualidade ao longo dos anos. Acima de tudo, não podemos esquecer que estamos a falar da visão, um dos sentidos mais importantes para o bem-estar e dia-a-dia das pessoas. Assim, acreditamos que ao fazermos bem o nosso trabalho e ao adequarmos o produto e o preço às necessidades específicas de cada cliente, esse esforço é reconhecido e haverá mercado para as óticas tradicionais que trabalham bem, se centram no cliente e sejam capazes de resistir à ilusão que é a guerra de preços. Uma vez que tão importante como o preço é a qualidade de vida dos nossos clientes, uma excelente acuidade visual é essencial para a mesma.

Entrevista completa na ÓpticaPro 192.

5 Junho 2019
Entrevistas

PUBLICIDADE
Silmo Paris
PUBLICIDADE
Mido 2020
`

Notícias relacionadas

Rui Correia: “Saio da ANO orgulhoso do legado entregue”

Após mais de duas décadas à frente dos destinos da Associação Nacional de Ópticos (ANO), Rui Correia aceitou o convite da ÓpticaPro para partilhar com os nossos leitores um balanço deste seu percurso que, garante, se traduz numa ANO sólida, equipada e com recursos para desenvolver o principal objetivo da instituição: “A defesa dos interesses empresariais dos associados”.

Ler mais 30 Agosto 2019
Entrevistas