Conjuntivite alérgica atinge 20% dos portugueses

Imagem da notícia: Conjuntivite alérgica atinge 20% dos portugueses

Com a chegada do verão a incidência da conjuntivite alérgica aumenta, o que geralmente representa um impacto negativo na qualidade de vida do afetado.

Manuel Monteiro Grillo, presidente da SPO – Sociedade Portuguesa de Oftalmologia, alerta para esta problemática e dá alguns conselhos de prevenção e tratamento que já atinge cerca de 20% da população nacional.

Manuel Monteiro Grillo começa por explicar que: “A conjuntivite alérgica sazonal é um dos tipos mais frequentes das alergias oculares. Ocorre quando um alergeno (agente estranho capaz de provocar alergia) irrita a conjuntiva, uma membrana fina e transparente que reveste o olho e a parte interior das pálpebras. Geralmente os primeiros sintomas a que devemos estar alertas são caracterizados pelo lacrimejar do olho, por prurido (comichão), edema da conjuntiva (olhos inchados) e olhos vermelhos”.

Contudo, uma alergia deste género pode ser prevenida e tem tratamento, conclui o presidente da SPO: “O primeiro passo no tratamento passa por diminuir o contacto com o agente desencadeante. O uso de bonés de pala e óculos de sol também diminui o contacto dos pólens com a superfície ocular, constituindo uma medida simples e eficaz no combate à alergia ocular”.

“Mediante a gravidade das queixas e dos sinais clínicos, o tratamento pode passar pelo uso de compressas frias, lágrimas artificiais e colírios antialérgicos. Nas formas mais graves da conjuntivite alérgica como a queratoconjuntivite vernal e queratoconjuntivite atópica, utilizam-se agentes mais fortes como corticosteroides ou outros imunossupressores. Toda a medicação deve sempre ser receitada e controlada pelo oftalmologista, tendo em conta os graves efeitos secundários que pode originar”.

25 Junho 2018
Atualidade

PUBLICIDADE
MIDO 2022
PUBLICIDADE
jackNoble
PUBLICIDADE
.....nome do evento, marca, etc.....
PUBLICIDADE
Vision Plus Expo 2021

Notícias relacionadas