ACAPO-Porto cria Serviço de Oftalmologia

Imagem da notícia: ACAPO-Porto cria Serviço de Oftalmologia

A Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal (ACAPO) inaugurou, na delegação do Porto, o seu primeiro consultório oftalmológico, indicaram os responsáveis que têm expectativa de “ajudar muitos cegos e pessoas com baixa visão a conseguir aparelhos adaptados”.

“Só através de uma avaliação em oftalmologia é que as pessoas podem ter direito a aparelhos adaptados. Os hospitais não estão preparados para fazer essas avaliações e as consultas privadas são muito caras. Com este consultório, procuraremos chegar ao máximo de pessoas possível, praticando preços reduzidos”, indicou à agência Lusa a presidente da ACAPO-Porto, Paula Costa.

As avaliações oftalmológicas realizadas neste consultório que é “pioneiro” em Portugal servirão para candidaturas a aparelhos como lupas ou telemóveis, mas a responsável frisou que o espaço também estará aberto à comunidade em geral para prestar vários serviços. Para apetrechar o consultório, a ACAPO-Porto recorreu a materiais usados, uma vez que os novos são “muito caros”, afirmou Paula Costa, estimando que o investimento tenha rondado cerca de 3.800 euros, “valor que sozinho não cobriria a compra de determinadas lâmpadas se fossem novas”, vincou.

A presidente também destacou o apoio do Lions da Boavista, entidade que pagou a 100% os equipamentos e apelou a que “outros Lions ou associações beneméritas e solidárias ajudem as restantes delegações a abrir espaços semelhantes no país”.

Saiba mais aqui.

2 Fevereiro 2017
Atualidade

Notícias relacionadas

Plano de contingência: comunicado HOYA

Carlos Matos, country manager da HOYA Portugal, dirige-se a todos os clientes e profissionais do setor, no seguimento do novo confinamento geral decretado pelo Governo.

Ler mais 14 Janeiro 2021
AtualidadeLentes

Novo confinamento: óticas mantêm portas abertas

O Governo já anunciou as medidas do novo confinamento geral para um combate necessário ao avultado número de infetados com Covid-19. Na generalidade, voltam a ser aplicadas as regras do primeiro confinamento, altura em que as óticas foram consideradas serviços essenciais e puderam abrir ao público.

Ler mais 14 Janeiro 2021
Atualidade