“O óptico português é empreendedor”

Líder no mercado da óptica e com forte presença nos cinco continentes, a Marchon Eyewear abre uma filial em Portugal.  O grupo norte-americano traz para o nosso país um excelente portfólio.

Líder no mercado da óptica e com forte presença nos cinco continentes, a Marchon Eyewear abre uma filial em Portugal.  O grupo norte-americano traz para o nosso país um excelente portfólio, preenchido com as mais prestigiadas marcas, e as últimas novidades tecnológicas.

 

ÓpticaPro: Descreva a vida e o percurso do grupo Marchon Eyewear até aos dias de hoje.

Teresa Ferreira: A Marchon é uma empresa de origem norte-americana, que no início contava com quatro sócios. Há 15 anos conseguiu uma importante parceria com a marca Calvin Klein, obtendo massa crítica para um lançamento além fronteiras. Hoje, a empresa pertence à seguradora americana VSP. Estamos presentes no mundo inteiro. Em alguns países com distribuidores, noutros directamente, e as previsões apontam para que a Marchon, só em termos de ‘portfolio’ de marcas, tenha investimentos acrescidos.

 

OP: A Marchon está nos cinco continentes…

TF: Sim, com uma presença muito forte no continente americano e na Europa.

 

OP: Depois de alguns anos a actuar no nosso país com representantes, porquê implementar uma filial?

TF: Porque faz parte da estratégia da Marchon estar presente de forma mais directa numa série de mercados, sobretudo no europeu. Portugal é um investimento atractivo, e prova disso são os inúmeros fabricantes instalados no país há bastante tempo.

 

OP: Quais são as mais-valias desta estratégia?

TF: Primeiro, melhoraremos o serviço, agora fornecido directamente pela empresa. Claro que no início sentiremos algumas dificuldades próprias da fase de arranque e de um ajuste de procedimentos. Outra mais-valia passa por representarmos todas as marcas, que nos são permitidas na Europa, eliminando-se os constrangimentos que muitas vezes o distribuidor enfrenta.

 

OP: A casa mãe vê em Portugal uma boa oportunidade de negócio…

TF: Claro que sim! O consumidor português tem uma apetência grande por marcas e o país usufrui de ópticas inéditas, que convidam o mais céptico dos consumidores a entrar. Acreditamos que com os profissionais de alto nível, que estão hoje à frente dos pontos de venda, seguramente faremos um bom trabalho. Confiamos plenamente nos ópticos portugueses!

 

OP: Que novidades introduzem no mercado ‘eyewear’ português?

TF: Lançamos marcas que ainda não estão no mercado luso mas que pertencem à Marchon há dois ou três anos, como a Jil Sander, a Emilio Pucci e a Karl Lagerfeld. Lançamos ainda a Lacoste e a Kiss and Kill, onde a grande novidade é a componente tecnológica 3D associada às lentes de sol. O mercado 3D tem um potencial enorme, pois prevê-se um crescimento no sector dos televisores 3D. Em Março, também introduzimos os modelos CK e Michael Kors com o mesmo tipo de lentes.

 

Artigo integral disponível na Revista ÓpticaPro 88

25 Fevereiro 2011
Entrevistas

PUBLICIDADE
|MIDO 2021

Notícias relacionadas

Daniela Guerreiro: “O mercado da ótica mudou bastante”

Com uma recente remodelação, a Oculista Carioca, nos arredores de Sintra, está mais atrativa e funcional. Com “um serviço de qualidade, seriedade e profissionalismo”, Daniela Guerreiro, há 16 anos na empresa fundada pelo pai, reconhece que o mercado mudou bastante desde então.

Ler mais 20 Julho 2020
Entrevistas

“Iremos colocar em prática uma forte campanha de sensibilização”

Em meados de maio, a Associação Nacional dos Ópticos (ANO) apresentou os resultados do inquérito ao subsector de comércio a retalho de material ótico, pedido ao Centro de Estudos Aplicados (CEA) da Universidade Católica Portuguesa (UCP), com o objetivo de analisar o impacto da pandemia Covid-19 nesta área. Falámos com Fernando Tomaz, presidente da direção da ANO, para conhecermos as principais conclusões do estudo e as medidas que se impõem.

Ler mais 26 Junho 2020
Entrevistas