“Decorar montras é criar cenários”

Imagem da notícia: “Decorar montras é criar cenários”

ÓpticaPro: Ganhou alguns prémios com montras originais que desenvolveu na Óptica Boavista. É esta filosofia de diferenciação que defende?

Norman Ramunni: Sim, de facto obtive alguns prémios com a decoração de vitrinas, graças à ousadia dos meus trabalhos, mas também à sua aceitação por parte de alguns empresários. Esta óptica do Porto tem uma particularidade muito importante. O seu proprietário revela-se completamente aberto a novas ideias. José Pedro Lourenço respeita o meu trabalho, mesmo sendo considerado extravagante e chocante. Sabe que construo montras peculiares, personalizadas, que chamam a atenção. E mesmo que não venda o produto, ele reconhece que as pessoas vão pelo menos parar e olhar para a loja.

 

OP: Acredita então que não deve massificar-se o aspecto das montras e que se deve, inclusive, construir vitrinas algo controversas…

NR: A arte deve dominar a decoração de qualquer espaço. Ou seja, a forma de expor o artigo deve ultrapassar o lado estético, transmitindo algo a quem o observa. Os produtos expostos na montra funcionam como os actores num palco. São vistos, apreciados, aplaudidos e, naturalmente, desejados pelas pessoas. Contudo, para criar estas reacções no consumidor, devemos envolver os artigos num ambiente que desperte a curiosidade. Decorar montras é, acima de tudo, criar cenários.

 

OP: Em que medida as suas vitrinas constituem um instrumento poderoso?

NR: Aposto em montras de intervenção, política e social, para despertar a consciência dos indivíduos e sensibilizá-los para os variadíssimos problemas do mundo actual. Haiti, Timor, pobreza, guerra, direitos das crianças e SIDA constituem alguns dos temas que aplico no meu trabalho. É evidente que estas montras chocam, pela agressividade e mensagens fortes que comunicam. Ficam, no entanto, também na memória das pessoas e, só por isso, já se revelam poderosas.

 

OP: Neste seguimento afirma que “a arte de fazer uma montra é também a arte de comunicar”…

NR: Sim, já que uma boa primeira impressão revela-se fundamental. Através da montra, podemos influenciar as pessoas a entrar na loja e a experimentar o produto e ainda transmitir outras mensagens, como já referi. A decoração de montras não deve apostar apenas na exposição de produtos.

 

25 Fevereiro 2010
Entrevistas

PUBLICIDADE
Bausch+Lomb

Notícias relacionadas

“Fazemos parte da história da ótica em Portugal”

A celebrar 75 anos, marcámos encontro com Luís Jorge, neto de Carlos Costa, cofundador desta ótica, pioneira em Portugal ao realizar ensaios de adaptações de lentes, que nos abriu o livro de uma casa com muito passado, presente e futuro.

Ler mais 5 Junho 2024
Entrevistas

“Procuramos estar na vanguarda da evolução”

José e Abel Costa abriram-nos as portas da sua ótica em Braga no rescaldo de uma remodelação total. Pai e filho falaram com a ÓpticaPro sobre o negócio familiar, sobre as parcerias que mantêm e os desejos para o futuro, destacando a aquisição de um novo equipamento da Essilor.

Ler mais 4 Abril 2024
Entrevistas