“Somos mais consultores que vendedores”

Imagem da notícia: “Somos mais consultores que vendedores”

ÓpticaPro: Como tem sido o percurso da Briot em Portugal?

Rui Silva: A Briot está a reforçar cada vez mais a sua posição no mercado português. Mantemos o mesmo nível de crescimento e vendas, incrementando ainda o nosso trabalho em vários aspectos, com vista à satisfação dos clientes.


Francesc Mas Giralt: Em Portugal, houve uma reformulação na forma de trabalhar de toda a equipa comercial e técnica, ou seja, na relação com o cliente. Além disso, preocupamo-nos ainda mais com o reconhecimento da marca e o desenvolvimento do produto.


 


OP: E de que forma se mudou a maneira de trabalhar?


FMG: Orientamos os nossos esforços para um serviço pós-venda de excelência e o enfoque no mercado português é precisamente neste sentido. Agora, constituímos uma empresa mais vocacionada para o serviço, disponibilizando máquinas, ‘softwares’, biselagem remota, conexão ‘online’, bem como uma equipa competente e aberta a novos projectos. A Briot deixou de ser uma mera fabricante e vendedora de equipamentos.


 


OP: E este novo conceito já reverteu em mais vendas?


FMG: Esta nova forma de actuar reflecte-se sem dúvida num maior reconhecimento da marca e consequentemente em mais vendas, já que acrescentámos serviços ao nosso portefólio. A remodelação total da página de internet é outra das vantagens, pois torna-se numa espécie de consultora dentro da Briot. A primeira coisa que os nossos comerciais fazem quando chegam ao trabalho é ligar-se à rede. Constitui um factor no qual vemos um grande potencial. Actualmente, somos mais consultores do que vendedores e, neste sentido, apostamos numa estratégia de marketing eficaz.


 


OP: Desde então, a equipa portuguesa já cresceu?


RS: Mantemos o mesmo número de comerciais, mas incrementámos o sistema de vendas Como o Francesc referiu, temos um grande apoio por parte da página ‘web’, que tem tido resultados bastante positivos. A nossa comunicação com o cliente cresceu muito nesse sentido. No fundo, consolidámos o que já tínhamos com a introdução de novos serviços.


 


OP: Existia um projecto para se criar uma sede corporativa em Portugal, nomeadamente no Porto. Ainda estão com essa ideia?


FMG: Sempre considerámos essencial ter uma base em Portugal, até porque possuímos lá uma posição de liderança. Contudo, à medida que íamos conhecendo o mercado luso e as suas necessidades, decidimos potenciar outros aspectos, muito mais próximos do cliente. Enveredámos pelo desenvolvimento de uma oficina móvel, digamos assim, já que estamos sempre em casa do consumidor. O importante é existir uma estrutura e uma força de venda e de técnica focalizada, que nos oriente para o cliente. Em relação ao ‘stock’, criámos um armazém central na Europa. Assim, entre 24 e 48 horas, colocamos qualquer produto directamente na casa dos clientes, em qualquer ponto europeu.


 


OP: E em termos técnicos, quais as grandes novidades?


RS: Apresentámos recentemente a máquina Weco Edge 650, um equipamento com características industriais, mas vocacionada para a óptica tradicional. Fabricada a partir de tecnologia de ponta, constitui uma máquina extremamente rápida, com uma potencialidade de funções extraordinária. Relativamente à Briot, no seguimento da biselagem remota em que cada óptico poderá ter dois ou três postos de venda e centralizar tudo numa só loja, acabámos de lançar a Alta Pro. É uma máquina bastante mais rápida que a Alta NX e, através da adaptação de uma nova mó, pode fazer-se a facetagem na parte interna da lente.


 


OP: Reservam alguma surpresa para um futuro próximo?

RS: Tanto na Briot como na Weco possuímos um departamento de investigação e desenvolvimento de produtos, que estuda constantemente novas soluções. Estas novidades serão apresentadas nos momentos oportunos, nomeadamente nas grandes feiras de óptica.

18 Dezembro 2009
Entrevistas

PUBLICIDADE
Oporto Optics Summit 2024

Notícias relacionadas

“A ótica é uma paixão”

A família Costa abriu-nos as portas da sua ótica em Braga no rescaldo de uma remodelação total. Em conversa com a ÓpticaPro, pai e filho desvendam a história do Oculista do Rechicho, as parcerias que mantêm e os desejos para o futuro.

Ler mais 20 Fevereiro 2024
Entrevistas

“As pessoas são o mais importante!”

É o que nos diz Nuno Diogo, mentor da Fábrica dos Óculos. Ao celebrar 20 anos de negócio, o responsável revela que a diferença da concorrência está no “know-how; na inovação; e, o mais importante, nas pessoas que fazem parte deste projeto”. 

Ler mais 29 Janeiro 2024
Entrevistas