“O ‘rimless’ revela mais a beleza individual”

Imagem da notícia: “O ‘rimless’ revela mais a beleza individual”

ÓpticaPro: De que modo a sua maquilhagem fez a diferença?
Mary Greenwell: Penso que fui pioneira no lançamento da maquilhagem totalmente natural. Enquanto outros ainda usavam imensos produtos diferentes, eu ousei aplicar um creme ‘blush’ nos lábios, olhos e maçãs do rosto, numa passagem de modelos para a Romeo Gigli. As meninas surgiram na passarela com aspecto de anjos, simples e lindas.

OP: Hoje em dia, a Mary passa a sua experiência para jovens artistas. Está pronta para sair da “linha da frente” e dar os seus segredos?
MG: Já dei os meus segredos todos! Acredito que nos devemos desprender das coisas. A vida desenvolve-se naturalmente e estou longe de estar desesperada em esconder seja o que for. Não se trata de sair da “linha da frente”, mas sim um desenvolvimento natural para docente e verdadeira especialista. Os meus jovens assistentes deixam agora a sua marca, encetando projectos que nunca imaginei fazer, como estar numa praia com um ‘brush’ na mão durante horas e horas!


OP: Acha que a maquilhagem deve revelar ou salientar aspectos da face feminina, ou mudá-la completamente?
MG: A maquilhagem é uma ferramenta e deve usar-se em prol do usuário. Se significa mudar ou esculpir o rosto, então seja. Caso o utilizador queira somente acentuar determinadas características, também me soa bem. A minha filosofia assenta, aliás, no bem-estar e felicidade das pessoas.


OP: E na área do ‘eyewear’, devem os óculos marcar presença ou serem transparentes?
MG: Os óculos ‘rimless’ serão sempre mais subtis que as armações de grandes dimensões, e permitem ao usuário revelar mais de si e da sua beleza individual.


OP: Como se iniciou a relação com a Silhouette?
MG: De facto, foi a Silhouette a dar o primeiro passo na nossa relação. Os profissionais da marca imaginaram um conceito e precisavam de alguém que pudesse apoiar o Programa Estética ‘Rimless’. Presumo que depois de pesquisarem sobre artistas de maquilhagem chegaram até mim. Para ambas as partes, o ser humano e a sua individualidade constituem elementos fulcrais, por isso a nossa ligação é simples visto partilharmos os mesmos princípios. Adoro trabalhar com os visionários da Silhouette!


OP: Como se desenrolou a parceria?
MG: Simplesmente ajudei no conceito. A maior parte do trabalho fez-se “em casa” e através das relações públicas da Silhouette.


OP: Quanto ao resultado deste trabalho conjunto…
MG: A apresentação é fantástica e brilhantemente fácil de seguir. Ajuda, de facto, o cliente a adaptar o melhor modelo ‘rimless’ ao seu rosto com confiança, moldando formas, estilos e cores.


OP: Através da empresa austríaca aconselhou muitas mulheres sobre a maquilhagem perfeita para os seus óculos. Como foi esta experiência?
MG: A experiência de trabalho com a Silhouette tem sido maravilhosa e sinto-me honrada por me terem procurado para desenvolver um novo conceito e estratégia. Acredito na sua filosofia e na sua visão tão clara do negócio. Ir em digressão com eles e conduzir e formar as pessoas na escolha da armação certa e na melhor maquilhagem para o seu olhar divertiu-me imenso. Observei ainda que as mulheres sabem bem o que se adequa a si e, por isso, nunca limito as suas possibilidades. Aliás, devem usar tudo o que querem desde que estejam confortáveis e se sintam lindas.


OP: De que forma podem complementar-se a maquilhagem e os óculos?
MG: Integram-se de um modo muito natural se o utilizador está desperto para o que lhe fica bem ou pelo menos o que o faz sentir bem.

27 Novembro 2009
Entrevistas

PUBLICIDADE
|MIDO 2021

Notícias relacionadas

Daniela Guerreiro: “O mercado da ótica mudou bastante”

Com uma recente remodelação, a Oculista Carioca, nos arredores de Sintra, está mais atrativa e funcional. Com “um serviço de qualidade, seriedade e profissionalismo”, Daniela Guerreiro, há 16 anos na empresa fundada pelo pai, reconhece que o mercado mudou bastante desde então.

Ler mais 20 Julho 2020
Entrevistas

“Iremos colocar em prática uma forte campanha de sensibilização”

Em meados de maio, a Associação Nacional dos Ópticos (ANO) apresentou os resultados do inquérito ao subsector de comércio a retalho de material ótico, pedido ao Centro de Estudos Aplicados (CEA) da Universidade Católica Portuguesa (UCP), com o objetivo de analisar o impacto da pandemia Covid-19 nesta área. Falámos com Fernando Tomaz, presidente da direção da ANO, para conhecermos as principais conclusões do estudo e as medidas que se impõem.

Ler mais 26 Junho 2020
Entrevistas