“A farmácia deixou-se ultrapassar pela óptica”

Imagem da notícia: “A farmácia deixou-se ultrapassar pela óptica”

ÓpticaPro: A classe dos ópticos anseia, desde sempre, por um sistema semelhante ao que se pratica com as farmácias.


Ricardo Silvestre Rocha: São de facto dois ramos muito análogos. As pessoas em geral ainda olham para o conselho dos ópticos com confiança, à semelhança do que acontece nas farmácias. Não se coloca sequer a perspectiva do negócio. Outra característica passa pela estreita ligação à saúde de ambos os sectores, embora nenhum dos dois profissionais possa prescrever. No fundo, o nosso público procura-nos para falar mais à vontade, já que os médicos em geral intimidam. Cria-se uma ligação de confiança, até ao ponto de pedirem a nossa opinião sobre o que o médico recomendou. Representamos o elo final da cadeia da saúde.

 

OP: O que falta à óptica para que se possa atingir o patamar das farmácias?


RSR: A farmácia tem uma associação poderosa e conta com o apoio de uma legislação que, apesar de ter sido alterada recentemente, continua a proteger o negócio. Uma farmácia só pode abrir mediante concurso público e num espaço onde não existam outras numa área de 350 metros. Deste modo, garante-se a rentabilidade dos estabelecimentos e também a sua idoneidade na venda dos produtos e no atendimento.


 


OP: É precisamente o inverso que acontece no sector da óptica…


RSR: Claro, pois se mantivéssemos um limite de ópticas por habitante, o profissional provavelmente não optaria por marcas de menor qualidade e diminuiria as suas margens de lucro em prol do cliente, com a certeza de que o seu rendimento estaria ainda assim assegurado. Da maneira como se processam as coisas, a concorrência é absurda. Aqui em Canelas a situação é tranquila, mas por exemplo em Famalicão existem demasiadas ópticas e as ‘low cost’ impõem um ritmo de preços incomportável.

 

OP: Como encara o associativismo em ambas as actividades?


RSR: As farmácias tiveram uma situação semelhante ao que se vive agora na óptica até 1965, altura em que se aprovou a denominada Lei da Propriedade da Farmácia. Já aqui, a união da classe era forte. Em 1975, estabeleceu-se finalmente a Associação Nacional das Farmácias, à semelhança da Associação Nacional do Ópticos (ANO), a partir da estrutura de um grémio. Hoje reúne 2800 associados num universo de 3100 farmácias, congregando quase toda a classe. Os restantes estão numa outra associação que equivale à ANO, sem grande expressão devido à escassez de membros.


 


OP: E em termos gerais?


RSR: A farmácia deixou-se ultrapassar pela óptica, no que diz respeito a estratégias de marketing. De facto, a falta de protecção ao negócio impeliu a uma modernização e capacidade de adaptação exemplares destes empresários. A venda de medicamentos ainda está atrasada neste aspecto, mas lá chegará.

 

OP: De que modo conseguiu lançar o Centro Óptico Bella Vista no seio da comunidade de Canelas?


RSR: Na altura em que abrimos a loja, em 2007, apostámos essencialmente numa comunicação forte, através de publicidade em autocarros, rastreios visuais e outras acções de divulgação. O efeito desse investimento ainda hoje se faz sentir. Proporcionámos também um espaço em que o cliente está à vontade, com uma exposição ampla de modelos. O balcão assume um papel secundário, já que o importante é que as pessoas se sintam em casa. Em termos de marcas, adaptámo-nos às vontades do nosso público.

 

OP: Começou pela óptica e só depois assumiu o negócio da sua formação. Porquê?

RSR: É uma resposta fácil. Para se comprar uma farmácia em Portugal há que esperar que alguém venda o estabelecimento, pois não se podem abrir novos espaços. Como se compreende, a apetência por este negócio é elevada, o que se traduz na dificuldade em comprar uma farmácia. No caso do sector dos óculos não é preciso mais que um espaço comercial. Claro que, estando direccionado para o sector da saúde, equipei a oficina da loja com aparelhos de topo e apostei em colaboradores formados, nomeadamente numa optometrista e num técnico de óptica ocular.

27 Novembro 2009
Entrevistas

PUBLICIDADE
MIDO 2022
PUBLICIDADE
jackNoble
PUBLICIDADE
.....nome do evento, marca, etc.....
PUBLICIDADE
Vision Plus Expo 2021

Notícias relacionadas

“A Prooptica atua de olhos postos no futuro”

Numa altura em que a Prooptica comemora 28 anos de existência Luís Justino, administrador da empresa, desvenda em entrevista os segredos do sucesso, as dificuldades vividas e as oportunidades que a pandemia de Covid-19 trouxeram. Para o futuro, o administrador imagina uma empresa fascinada pela internacionalização e pelo desenvolvimento sustentado, com o mesmo objetivo de sempre: garantir a satisfação plena de todos os parceiros.

Ler mais 3 Setembro 2021
Entrevistas

“Os óculos são objetos que qualificam as pessoas”

Uma das pessoas mais reconhecidas no mundo da ótica, especialmente quando falamos do conceito de óculos modernos, falou em exclusivo para Portugal à ÓpticaPro. Contador de histórias, Paolo Seminara respira paixão por uma profissão onde “o tempo voa”.

Ler mais 10 Agosto 2021
AtualidadeEntrevistasÓculos